Ponto de Cultura Feminista será lançado em Porto Alegre

11295618_391524227712066_1289909211752787021_nNo Dia Internacional de Ação pela Saúde da Mulher, 28 de maio, acontece em Porto Alegre o lançamento do Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão. O projeto, coordenado pela ONG Coletivo Feminino Plural, faz parte da Rede Nacional dos Pontos de Cultura e visa integrar artistas e produtoras com forte presença cultural e inseridas em diferentes áreas de atuação; quer promover ações de formação e difusão da arte e da cultura a partir de uma perspectiva feminista. O trabalho terá como foco inicial ações na comunidade da Restinga, com oficinas que abordam o corpo feminino como território de sentidos historicamente construídos, e atividades no centro da Capital em torno do Acervo Especializado e ações de ativismo digital. No lançamento será aberto um “Feminário”, que marca o início das atividades de formação do Ponto.

PROGRAMAÇÃO:
18h30 – Performance “Aterro”; com a artista Andressa Cantergiani
19h – Mesa de abertura com o lançamento oficial do Ponto de Cultura Femninista: corpo, arte expressão
+ lançamento da Carta das Mulheres com Deficiência, organizada pelo grupo Inclusivass
+ lançamento do Almanaque “Ah… então sou feminista!” da Rede Nacional Feminista de Saúde e Direitos Sexuais e Reprodutivos
Local: sala A2B2 da Casa de Cultura Mario Quintana e sala de cinema da CCMQ

As primeiras ações do ponto integram a programação do “Feminário da semente, por uma cultura feminista: transformar o mundo transformando a si mesm@s”, que promoverá atividades ao longo do mês de junho. Inscrições pelo pontodeculturafeminista@gmail.com

30/05 – Oficina “Arte numa perspectiva feminista” (vagas limitadas):
10h às 12h – Taís Ritter Dias (educadora das artes visuais), Roberta Mello e Maria Fernanda Viegas (jornalista e educadora da ONG Cirandar)
14h às 17h – Malu Viana (MC e ativista da Frente Nacional de Mulheres no Hip Hop) e Andressa Cantergiani (atriz/performer)
Local: Sala A2B2, da Casa de Cultura Mario Quinta

10/06, 19h – Mesa “Corpo, autonomia e expressão numa perspectiva feminista” (aberto ao público):
Maria Luisa de Oliveira (Mestre em saúde Coletiva e integrante da Plataforma Brasil de Direitos Humanos/ONG Sempre Mulher)
Rose Castilhos (Campanha por uma Convenção dos Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos/Ilê Mulher)
Representantes do Grupo Inclusivasde Mulheres com deficiência
Maria Fernanda Geruntho Salaberry (Coletivo de Mulheres da UFRGS, Rede Relações Livres e Marcha das Vadias)
André Musskopf (Escola Superior de Teologia – EST)
Local: Sala A2B2, da Casa de Cultura Mario Quinta

13/06: Oficina “ Corpo, autonomia e expressão numa perspectiva feminista” (vagas limitadas):
10h às 12h: “O corpo numa perspectiva antropológica”, com Fernanda Tussi (antropóloga); “Corpo violado, violência e saúde mental”, com Carol Mombach (estudante de psicologia);
14h às 17h: “O corpo da dança”, com Ceia Santos (Bgirl), e “Coletivo Oluchi: a arte da resistência, resiliência e reconciliação através dos turbantes” – é necessário levar tecidos para fazer turbantes. – é necessário levar tecidos para fazer turbantes.

17/06, 19h – Oficina de trabalho com tema “Expressão” (vagas limitadas):
Perspectivas teóricas de vídeo com Mirela Kruel (diretora de cinema).

24/06, 19h – Oficina de trabalho com tema “Expressão” (vagas limitadas):
Oficina prática de vídeo
Local: Sala A2B2, da Casa de Cultura Mario Quintana.

Sobre o Ponto de Cultura

O Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão é um projeto coordenado pela ONG Coletivo Feminino Plural em parceria com outras entidades e produtoras culturais. Integra a Rede Nacional dos Pontos de Cultura e surge através do desejo de acionar o corpo, em especial o corpo das mulheres, como território de múltiplas possibilidades de expressão. Os direitos sexuais e reprodutivos são trazidos para a cena como vetores para questionar a secular tentativa de destituição da autonomia das mulheres de explorar o corpo na perspectiva de sua autodeterminação como sujeito.

Serão provocadas ações (através de oficinas, saraus, apresentações e ativismo) que interpelem as desigualdades produzidas historicamente e mantidas pelos padrões culturais. O público alvo são mulheres que tenham interesse em fruir, promover e viver a arte e seus corpos para além das convenções e imposições que a cultura machista reverbera cotidianamente.

O projeto originou-se do convênio entre o Governo do Estado do Rio Grande do Sul, através da Secretaria de Cultura do Estado, e o Ministério da Cultura, com a Lei Cultura Viva, contemplado no Edital 11/2012 da “Rede RS de Pontos de Cultura”. O Coletivo Feminino Plural, a Frente Nacional de Mulheres no Hip Hop, a ONG Cirandar, a Associação Cultural Beneficente Ilê Mulher, a Rede Feminista de Saúde Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos, as atrizes/performers Andressa Cantergiani e Carolina Pommer, a diretora de cinema Mirela Kruel e o Grupo Inclusivass de mulheres com deficiência integram o Comitê Gestor do Projeto, que tem como linhas fundamentais a transversalização de gênero, raça e direitos humanos.

Orientado pela ideia de descentralização, o Ponto de Cultura Feminista: corpo, arte e expressão percorrerá lugares por onde as suas integrantes atuam e se articulam em parcerias, fomentando as expressões locais e compartilhando saberes, tendo como foco as meninas que moram no Bairro Restinga. Transformar o mundo transformando a si mesmas é um dos fundamentos do feminismo e guiará essa trajetória.

A sede do Coletivo Feminino Plural, na Avenida Farrapos, em Porto Alegre, tem sido utilizada como ponto de encontros do Ponto de Cultura Feminista. No entanto, um Comitê Gestor local, no Bairro Restinga, prevê a ampliação das parcerias e a escolha dos locais e espaços de referência do projeto.

, ,

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *